Cores do mundo

Created with flickr badge.

Join with us

[blogger]

Islândia

Em 07 de setembro de 2016 chegamos (conexão em Paris) a Reykjavík (ou Reikjavik), capital da Islândia.

Já saímos do aeroporto com carro alugado (incluindo o router – internet a bordo).

O primeiro hotel em que nos hospedamos foi Fit Guesthouse Keflavik Airport (Fitjabraut 6B / 260 Keflavík). Diária (casal) por volta de 15.000 ISK (US$ 150).


A Islândia é um país nórdico em uma ilha no Oceano Atlântico Norte. É um dos países mais desenvolvidos do mundo, tem uma população de 332.529 e uma área de 103.000 km2, tornando-se o país mais escassamente povoadas da Europa. O interior consiste de um planalto caracterizado por campos de areia e lava, montanhas e geleiras, enquanto muitos rios glaciais correm para o mar através das planícies.

O relevo é bastante montanhoso e há intensa atividade vulcânica. Um fenômeno natural muito frequente na Islândia são os gêiseres – fontes intermitentes de água quente, de origem vulcânica, cuja erupção provoca o lançamento de água para o ar. Aliás, água é uma presença marcante no país: glaciares, rios (muitos rios correm para o mar através das planícies) e quedas d’água compõem o belo cenário.

E viajar de carro permite que se aprecie melhor tanta beleza. As cachoeiras são próximas às estradas que, por sinal, são perfeitas. Além da paisagem exótica, campos de areia e lava, montanhas e geleiras, as ovelhinhas também dão um toque especial à vista. É uma das carnes mais consumidas no país (elas são criadas, em sua grande maioria, soltas), além da carne da baleia.

Historicamente, a economia da Islândia depende fortemente de pesca (mas a sua importância na economia vem diminuindo), que ainda fornece 40% das receitas de exportação e emprega 7% da força de trabalho.

Brasileiros não precisam de visto para entrar no país caso o plano seja permanecer por até 90 dias. O importante é que seu passaporte seja válido por, pelo menos, 6 meses além da data de retorno marcada.

Para visitar o país, é recomendável economizar. Os preços de hospedagem e de alimentação, assim como os ingressos de museus, são “salgados”. Em compensação, a maioria das atrações naturais são gratuitas. 

A moeda é a coroa islandesa (ISK). I ISK vale 0,0097 dólares. Ou seja, 1 dólar vale 103 coroas islandesas, aproximadamente.

A língua oficial é a islandesa. A maior parte da população islandesa fala inglês, e por este motivo, se você é fluente nessa língua não terá nenhum problema em não entender uma só palavra em islandês.


Para aqueles que queiram aprender um pouco da língua local, vale a pena consultar o site da Universidade da Islândia (em inglês), onde é oferecido um curso online básico e gratuito de islandês.

Islândia | Golden Circle

Um circuito famoso no país é o Golden Circle (Círculo Dourado). A Gullfoss (“Golden Falls” em inglês), uma cachoeira localizada no cânion do rio Ölfusá, é uma das atrações do circuito.

Com uma quantidade média de água corrida de 140 metros cúbicos (4.900 pés cúbicos) por segundo no verão e 80 metros cúbicos (2.800 pés cúbicos) por segundo no inverno, é uma das atrações turísticas mais populares do país.

Durante a primeira metade do século XX e alguns anos até o final do século 20, houve muita especulação sobre o uso de Gullfoss para gerar eletricidade, mas hoje a cachoeira é uma área protegida.

Junto ao rio Ölfusá, está a pequena cidade de Selfoss, na parte sul da ilha, a 52 km de Reykjavík. Tem cerca de 6.512 habitantes.

A 15 minutos dali está a Kerid Crater (ou Kerith Crater), outra atração do Círculo Dourado. É um lago de cratera vulcânica localizada na área de Grímsnes com cerca de 55 m (180 pés) de profundidade, 170 m (560 pés) de largura e 270 m (890 pés) de diâmetro. Impressiona o contraste entre as rochas avermelhadas e a água verde do lago.

Ao norte (cerca de 50 km) está o Selfoss Geyser. Aliás, há muitos gêiseres na Islândia.

Os gêiseres de Haukadalur estão localizados no sudoeste do país e são uma famosa atração da rota círculo dourado. O Grande Geysir (Strokkur) e o Lilti (pequeno) são bastante fotografados. A temperatura da água vai de 80 a 100ºC. O local é tão turístico que há até um hotel bem em frente aos gêiseres (Hotel Geysir).

Um ponto turístico a 4 horas de Selfoss, mas bastante visitado, sobretudo no inverno, é o glaciar Jökulsárlón e a sua lagoa de icebergs.

A 1 hora dali (71 km), outra bela cachoeira: a Gljúfrafoss (Canyon Waterfall) ou Cachoeira da Garganta. No local, há quiosques vendendo souvenirs e lanches.

A duas horas da cachoeira Gljúfrafoss e a 45 minutos (48 km) da capital Reykjavík está um dos maiores atrativos do país – a Lagoa Azul Spa Termal, em Grindavík. É uma lagoa artificial que é alimentada pela saída de água da usina geotérmica nas proximidades Svartsengi e é renovada a cada dois dias. É uma das atrações mais visitadas do país.

A duas horas da capital está a pequena e charmosa vila de Vik, a aldeia mais austral do país e a terra das famosas Reynisdrangar Cliffs (falésias/estacas de basalto saindo do mar) na praia negra cujo nome oficial é Reynisfjara. As colunas/estacas de basalto impressionam pela beleza exótica.

Em 1991 essa praia de areia preta que foi classificada como uma das dez mais belas praias não tropicais do mundo.

Outro atrativo da vila, um pouco antes de chegar à praia (10 minutos), é a igreja Vik i Myrdal.

Continuamos na estrada e chegamos à Skógafoss (Cachoeira da Floresta). É uma das maiores cachoeiras do país, com uma largura de 25 metros e uma altura de 60 metros.

O Pingvellir ou Thingvellir é um vale situado no sudeste da Islândia, considerado um dos lugares históricos mais importantes do país e, também, incluído na rota turística do Círculo Dourado.

Þingvellir foi declarado Parque Nacional em 1928 devido à sua importância histórica, assim como por suas características tectônicas e vulcânicas.


A independência islandesa foi proclamada neste lugar em 17 de junho de 1944, e hoje o parque funciona como casa de verão do primeiro-ministro do país, além de ser proclamado como Patrimônio da Humanidade em 2004.

O Rio Öxará atravessa o parque e forma uma cascata no Almannagjá, chamada Öxarárfoss.



 









Created with flickr badge.
Created with flickr badge.
Created with flickr badge.